agosto 16 2021 0Comentários

4º ENAFISC: uniformização dos procedimentos e metas para 2022 foram alguns dos assuntos abordados no evento da fiscalização, em Brasília

Compartilhe

4º ENAFISC: uniformização dos procedimentos e metas para 2022 foram alguns dos assuntos abordados no evento da fiscalização, em Brasília

O gerente de fiscalização do Crea-RN, Heulyson Arruda, e o Conselheiro Federal Modesto Ferreira, participaram nos dias 12 e 13, do 4º Encontro Nacional de Fiscalização (Enafisc), do Sistema Confea/Crea e Mútua, em Brasília. “Tratamos de ações de uniformização dos procedimentos e mapeamento de processos, bem como os resultados obtidos nas fiscalizações em estabelecimentos hospitalares, que foi a meta proposta para o período de 2020-2021”, disse o gerente sobre alguns dos assuntos abordados durante o evento. Apesar das dificuldades enfrentadas, devido a pandemia, os resultados têm sido positivos. “Em 2020, estivemos presentes com a fiscalização em todas as regiões do Rio Grande do Norte”, afirma Heulyson.

Conselheiro Federal Modesto Ferreira e o gerente de Fiscalização Heulyson Arruda

O esforço para padronizar e integrar as ações de fiscalização do Sistema Confea/Crea e Mútua vem encontrando resultados promissores. Cada vez mais, usando a tecnologia da informação e ancorados no planejamento conduzido pelo Federal, os Creas vêm aperfeiçoando a atividade elementar do Sistema, que contribui para o desenvolvimento de outras que permeiam as rotinas dos regionais.

O evento encerrou com o debate da oficina sobre Meta de Fiscalização – ciclo 2022-2023. Prícila Ferreira, da Gerência de Planejamento e Gestão, do Confea, que abriu a discussão afirmando que, no anteprojeto de resolução da fiscalização – Decisão Normativa 95, aberta para consulta publica no site do Confea –, estão sendo usados novos critérios para os programas de fomento das atividades dos Creas.

“Nossa leitura tem que atender e entender o momento que estamos vivendo. Ampliar a fiscalização de empreendimentos que demandam serviços de engenharia objetiva proteger a vida”, afirmou.

“A premissa para a execução da meta é a elaboração de notas técnicas específicas, definição de critérios e métricas de desempenho e resultado. Nossa ideia é até o final do ano ter o conjunto básico de parâmetros para que os Creas iniciem a fiscalização de forma planejada com metas já definidas”, informou Prícila, pouco antes de os gerentes regionais decidirem, entre 14 ramos de empreendimentos, os que serão fiscalizados nas áreas das Engenharias e da Agronomia, ficando assim definido: geração e distribuição de energia solar fotovoltaica; centros comerciais, shoppings, hotéis, locais para show; agrotóxicos; indústria de alimentos. 

Os trabalhos foram coordenados pela eng. agr. Andréa Bondrani, coordenadora adjunta da Comissão de Ética e Exercício Profissional (CEEP). Ao encerrar os trabalhos, em nome do presidente do Confea, eng. civil Joel Krüger, Andréa agradeceu pelo “empenho de todos no aperfeiçoamento da fiscalização das atividades profissionais”.

4º ENAFISC

anelly-crea-rn