Caixa Econômica e Creas discutem melhorias dos serviços bancários

Por CREA-RN em 23/02/2017 às 10:43

O relacionamento entre os Creas e a Caixa Econômica Federal foi tema na pauta do Colégio de Presidentes na manhã desta terça-feira (21/2). O vice-presidente da CEF, Antônio  Carlos Ferreira, se reuniu com os presidentes dos Creas para ouvir sugestões e demandas regionais. Taxas de serviços bancários e velocidade no atendimento e na baixa de pagamentos foram os assuntos mais destacados durante a conversa.

A demanda de Pernambuco, por exemplo, é de que os pagamentos de boletos sejam debitados o mais rápido possível. “Temos um sistema de informática com o qual agilizamos todo o processo. No entanto, o pagamento do boleto só tem baixa no dia seguinte”, disse o presidente do Crea-PE, Evandro Alencar. Segundo ele, o custo para que os pagamentos sejam feitos mais rapidamente é alto. Complementando a fala de Alencar, o presidente do Crea-RN, Modesto Ferreira, ressaltou que a demora de 24 horas no pagamento de boletos atrasa a emissão de Anotações de Responsabilidade Técnica (ART) e de certificados.

O presidente do Crea-RJ, Reynaldo Barros, ressaltou, ainda, que todos os Creas e o Confea somados administram as folhas de pagamento de muitos funcionários, além de manter relacionamento com mais de um milhão de profissionais. “Esse cenário movimenta uma quantidade intangível de recursos – não só os que entram no Sistema Confea/Crea e Mútua especificamente, mas também os dos engenheiros e técnicos”. Barros mencionou sugestões como o desenvolvimento de programas e linhas de serviço que a Caixa pode manter com profissionais, e patrocínio de eventos não só dos Creas, mas também de entidades de classe. “Não é só moeda. Uma negociação deve envolver também a qualidade do relacionamento entre o banco e os conselhos, que desburocratize os procedimentos”.

O vice-presidente da CEF explicou que as negociações seriam mais efetivas se feitas de maneira centralizada. “Se buscarmos informações em nível nacional, todo o Sistema ganha, pois quanto maior for o volume de recursos, mais será possível conseguirmos boas taxas. Se vocês puderem criar um grupo de trabalho para compilar todos os anseios, vocês terão muita força para negociação”, instruiu.

O Colégio de Presidentes – bem como outros fóruns consultivos do Sistema Confea/Crea – se reúne até esta quinta-feira (23/2), dentro da programação do VI Encontro de Líderes Representantes do Sistema Confea/Crea e Mútua, que está sendo realizado em Brasília, DF.

Equipe de Comunicação do Confea