Papel dos engenheiros no desenvolvimento sustentável é debatido em mesa-redonda

Por CREA-RN em 11/08/2017 às 12:20

Com o tema “Desenvolvimento Sustentável”, a mesa-redonda que teve como moderadora a engenheira Anna Virgínia Machado (Abes-UFF) fechou a programação do auditório principal na tarde desta quarta (9), uniu os profissionais Fábio Augusto Gomes Vieira Reis (Febrageo-Unesp), Jorge Nei Brito (Fenemi-UFSJ), Luciana Gama de Mendonça (Abea-UFCE), Fernando Cezar Juliatti (Abeas-UFU) e Hely de Andrade Júnior (Abeq) para debaterem o papel da engenharia nos objetivos do desenvolvimento sustentável.

Os participantes da mesa-redonda abordaram os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e o como cada um poderia dar sua contribuição para que os mesmos sejam alcançados. Anna Virgínia frisou a importância do objetivo 6, que assegura a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos. “Antes o objetivo falava em 50% do acesso a água potável, hoje o acesso deve ser universal. Portanto a engenharia e a agronomia devem trabalhar interligadas para que todas tenham uma água de qualidade e segura”, diz.

A engenheira Luciana Gama destacou o objetivo 12, que assegura padrões de produção e de consumo sustentáveis. Segundo ela o caminho para acabar com o desperdício de alimentos no mundo e o controle na produção. “Não adianta produzir muito para desperdiçar depois. É necessário um controle eficaz na produção desses alimentos. Estamos trabalhando com um projeto para conter o desperdício de resíduos de alimentos de origem vegetal e acredito que estaremos contribuindo com os objetivos lançados pela ONU”.

Abordando o objetivo 7 – assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos, o engenheiro Hely Andrade afirmou que para garantir o acesso à energia de forma sustentável é necessário desenvolver fontes de energia renováveis, melhorar as eficiências das transformações das diversas formas de energia, racionalizar os usos das diversas formas de energias, entre outras.

O professor Fernando Cezar Juliatti ressaltou a importância do desenvolvimento sustentável e da agricultura no cumprimento dos ODS. “Precisamos trabalhar a inovação na agricultura, entre elas agregar mais valor aos grãos. Somos importadores de tecnologias e máquinas, exportamos commodities e dependemos do que de ruim acontece na agricultura americana”, aponta.

Apontado o objetivo 9, que tem como objetivo construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação, o professor Jorge Nei afirmou que um dos caminhos para o cumprimento desse objetivo é o desenvolvimento industrial inclusivo e sustentável como novo desafio das técnicas preditivas.

Finalizando a mesa-redonda, o geólogo e engenheiro civil Fábio Augusto debateu a respeito do objetivo 11 – tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis. Segundo ele, para alcançar o objetivo em questão, é importante a realização de estudos e projetos de planejamento territorial que contempla um plano diretor, plano de bacias hidrográficas, zoneamento ambiental, zoneamento de áreas costeiras, planos de manejo de áreas protegidas, plano de áreas metropolitanas.