CURSO DE PERÍCIA JUDICIAL TEORIA E PRÁTICA - MÓDULO I

CURSO DE PERÍCIA JUDICIAL TEORIA E PRÁTICA - MÓDULO I

Por CREA-RN em 05/04/2018 às 02:59

Data de realização: 24/04/2018 até 26/04/2018

Aproveite essa excelente oportunidade!


Conforme programação de qualificação para 2018, apresentamos  a primeira edição do MÓDULO I do curso: PERÍCIA JUDICIAL TEORIA E PRÁTICA -

Como ser um perito judicial e assistente técnico.

Para participar deverá ser preenchida a ficha de inscrição através do link abaixo, e proceder o

pagamento através da conta do Ibape/RN, enviando o comprovante para o e-mail ibape84@gmail.com.


Dados bancários:

IBAPE – INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA

Caixa Econômica Federal

Agência 2044

Op. 003

Conta 880-0

CNPJ 09.389.990/0001-76


Link da inscrição: 

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeA8gKtFCs2N_cCAMIow1KM9Ck2VpEKoGCqx2NQpEE1jQriZA/viewform?c=0&w=1


SOBRE OS TÓPICOS DO CURSO :


01.     CONCEITOS/LEGISLAÇÃO PERTINENTE

02.     RELAÇÃO COM O JUÍZO/ CONSIDERAÇÕES GERAIS

03.     PROCEDIMENTO ELETRÔNICO/PETIÇÕES E ENCAMINHAMENTOS

04.     QUESITAÇÃO/ ASSISTENTES TÉCNICOS

05.     HONORÁRIOS

06.     EXAME VISTORIA E AVALIAÇÃO/CONSIDERAÇÕES SOBRE A VISITA

07.     LAUDO PERICIAL

08.     IMPUGNAÇÃO DO LAUDO

09.     SANÇÕES CRIMINAIS RELATIVAS À ATIVIDADE DE PERITO

10.     AULA DE CAMPO



SOBRE OS INSTRUTORES:


Manoel Negreiros

Engenheiro Civil, Mestre em Estruturas e Construção Civil pela UFRN, Especialista em Gestão de Negócios pela UFRN, Especialista em Avaliações e Perícias pela FAL, Professor de Construção Civil I e II, Materiais de Construção, Orçamento de Obras e Manutenção Predial do IFRN e Professor de Perícias em Edificações do curso de Pós graduação em Avaliações e Perícias da UNP. Mais de 40 anos de experiência em construção civil. Árbitro da CCMEAR. Atuação como perito e assistente técnico. Membro do IBAPE-RN.

 Nadiedja Melo

Arquiteta-UFRN. Proprietária da empresa Nadiedja Melo Ceciliano Arquitetura e Interiores LTDA. Atuação em arquitetura predial e interiores, licenciamento e acompanhamento de obras e elaboração de laudos periciais. Graduação em Direito - UNI-RN (2008), OAB nº 7358, sem exercício. Especialista em Direito Público pela AMATRA. Mediadora Judicial certificada segundo a Res. 125 do Conselho Nacional de Justiça - CNJ. Supervisora de Mediação e Conciliação pelo TJSP e Câmara de Arbitragem, Mediação, Conciliação e Estudos de São Paulo - CAMCESP. Mediadora no Programa JFMEDIA-JFRN, para causas que envolvam arquitetura e engenharia. Mediadora no NUPEMEC - TJRN, 2 grau. Coordenadora da equipe de Mediadores e Conciliadores, na Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem- CCMEAR. Membro da Comissão de Conciliação, Mediação e Arbitragem da OAB-RN. Membro diretor do IBAPE-RN.

Tarcísio Medeiros Lima

Engenheiro Civil. Especialista em Gerenciamento da Construção Civil pela UFPB. Especialista em Avaliações e Perícias de Engenharia. Diretor Técnico da empresa Projetech pela UNICID. Diretor Técnico da empresa In Loco Administradora de Obras e Projetos LTDA. Engenheiro calculista com 150.000m² em projetos de estruturas de concreto armado, madeira, metálicas e alvenaria estrutural. Projetista de instalações prediais, hidrossanitárias, elétricas em baixa tensão, combate a incêndios, gás GLP e afins, com mais de 100.000m² de área construída. Empreendimentos: Centro de Convenções de Natal, Hotel Pestana, Memorial da Resistência em Mossoró, Teleférico em Santa Cruz, Monumentos aos Mártires de Uruaçu, dentre outros. Membro do IBAPE-RN.



           O IBAPE, Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias, fundado em 1957, é uma Entidade Federativa Nacional, de caráter técnico e sem fins lucrativos, com um destacado histórico institucional construído através de ações pioneiras intimamente ligadas ao desenvolvimento das carreiras profissionais da engenharia e da arquitetura, atuantes nos campos das avaliações de bens e das perícias.

Da elaboração da primeira norma brasileira de avaliações de imóveis urbanos à realização de inúmeros eventos técnicos, com destaque para diversos Congressos Brasileiros de Engenharia de Avaliações e Perícias, o IBAPE esteve à frente de todas as principais iniciativas relacionadas à difusão de conhecimento, treinamento e aprimoramento de uma atuação  profissional que vem ganhando importância cada dia na sociedade brasileira.

Constituído por milhares de engenheiros e arquitetos, integrantes de 18 (dezoito) institutos distribuídos pelos Estados da federação, todos filiados à Entidade Nacional, o IBAPE, que na origem encontrava na Justiça Federal, Estadual e Trabalhista, seu principal foco de atuação, hoje milita também nos mercados imobiliário e financeiro, nas arbitragens e em diversos outros segmentos da economia.

Na esfera internacional o IBAPE mantém filiação à UPAV União Pan-americana de Associações de Avaliação e ao IVSC – International Valuation Standards Council e, através desses organismos, vem participando das mais importantes ações para consolidação, nos planos continental e global, de conceitos e procedimentos que devem regrar a elaboração de trabalhos avaliatórios .

Com o intuito de elevar a qualidade das avaliações e das perícias a níveis de excelência,  o IBAPE, que integra o Colégio de Entidades do CONFEA Conselho Federal de Engenharia e Agronomia, além de estimular e participar do ensino universitário em nível de pós-graduação, implantou e tem gerido um exitoso programa de certificação profissional, conferindo aos seus membros, graus de excelência no desempenho da elaboração de avaliações e laudos periciais. E como  intimamente ligado ao meio jurídico, o Instituto conta  com a presença de diversos advogados, magistrados e desembargadores nos Congressos promovidos pelo IBAPE Nacional.

O IBAPE / RN dispõe hoje de mais de 400 associados entre Engenheiros, Arquitetos e Geólogos, com as mais variadas especializações. Para integrar o quadro associativo exige-se não só o conhecimento técnico, mas também conhecimento jurídico mínimo com relação à legislação pertinente ao trabalho do avaliador ou perito, notadamente as determinações do CPC, e a praxe relacionada ao trato com o juiz, serventuários da justiça e jurisdicionados. Além, é claro, do comportamento ético e moral esperado de um auxiliar da justiça.